terça-feira, 14 de maio de 2013

sobre ela etc.

Ela resolveu descansar num banco de madeira no parque.

Senta. Mas está cansada. Então deita. Fica olhando para o céu. Acha bom. Fica relaxada. Parece séria e pensativa. No que estaria pensando? Não parecia feliz. Estava séria demais para uma pessoa alegre.

Talvez estivesse deprimida, angustiada com alguma coisa. Parecia ausente, com o pensamento longe. Aquela cara de “O que estou fazendo com a minha vida?” Mas também poderia estar triste por algo que realmente tinha acontecido.

Revive lembranças. Pondera possibilidades. Nenhum sorriso lhe vem ao rosto, como costuma vir quando nos lembramos de algo bom ou engraçado. Não, ela não visitava boas lembranças.

É possível que mal conseguisse elaborar um pensamento concreto. A mente parecia sem graça, como se não pudesse entretê-la naquele momento a sós dela com ela mesma.

Estava sozinha. Será que era sozinha? Ela estava solitária porque optou ou porque não tinha a quem chamar para um passeio?

Ela não tem cara de muitos amigos... ou poucos. Olhando, não dá pra saber. Mas sei que só alguns se aproximam dela e ela gosta muito de todos eles. Têm cadeira cativa em seu coração. Mas então, por que sozinha? Até o celular deixou em casa. Estava evitando a companhia dos outros ou sabia que quando chegasse em casa não teria registro de nenhuma mensagem ou chamadas perdidas?

Inclusive, quem mais interage com ela pelo celular é o despertador, lembrando-a que, no mínimo, ele é a razão pela qual ela se levanta todas as manhãs...

Mas então... e ela? Fiquei intrigado observando-a por um bom tempo. Então me aproximei, ela me deu espaço para sentar e deitou novamente, descansando a cabeça no meu colo. Permaneceu com os olhos fechados.

-Aqui, você deixou seu celular em casa.
-É, eu sei... não queria carregar nada. Guarda aí no seu bolso. Alguém ligou?
-Só eu, antes de ver seu recado avisando que tinha vindo pra cá.
-Que bom que veio me encontrar.
-Tá tudo bem com você? Você me parece meio abatida.
-Você ficou me observando por um tempo antes de vir aqui, né?
-É, você me conhece... Mas tá tudo bem?
-Sim, só estou com sono – respondeu, sorrindo, com os olhos ainda fechados.

Sorri de volta e comecei a fazer cafuné nela... e então já não estava mais tão séria.

Um comentário:

De Sicco disse...

Muito legal seu texto!!!
Escreve realmente muito, muito, muito bem
beijos