terça-feira, 1 de março de 2016

Eu, gorda

Então eu voltei à faculdade este ano. Eventualmente escreverei sobre isso também. Mas aqui eu mando um abraço ao perfeccionismo e resolvo não ligar para a ordem dos fatores e simplesmente compartilho algo que há pelo menos 25 anos define a minha vida: meu peso.

O importante é parecer feliz nas fotos
Na verdade não meu peso exatamente, pois eu nem sei quanto estou pesando. Mas como a minha relação com a comida sempre esteve longe de ser harmoniosa.

O que a faculdade tem a ver com isso? Temos uma disciplina chamada "Autoconhecimento e Desenvolvimento Interpessoal" e, em determinada aula, o Professor pediu que escrevêssemos sobre nós ou sobre autoconhecimento, porém em versos. Eu não costumo escrever em versos, acredito que essa tenha sido minha primeira vez.

E o que saiu, foi isto:

Toma esse veneno,
Disse sua mãe enquanto lhe dava brigadeiro.
Nossa, que linda!
Não engordou depois de todos esses dias!

Todo dia um controle externo
Sobre o seu corpo era feito.
Não é bonito para uma moça comer mais que um rapaz.
Tem que ser pequena, delicada.

“Ela é grossa, é emburrada!”.
Sempre as melhores qualidades ressaltadas.
Não tinha sossego nas férias nem nas festinhas.
“Soube que você caiu de boca na comida”

Aos 11 anos sua primeira dieta.
Aos 13 anos começou academia.
“Vamos ver se dessa vez dá certo.”
Nunca dava.

Quando ficou doente e ficou internada
“Ao menos se eu fosse magra...” é o que pensava.

Temiam que ela fosse piada entre os outros.
Mas ela já o era dentro de casa.
O assunto da família, todos os dias do ano.
Seu peso viajava o Brasil.
Anunciavam que havia emagrecido
“Tá tão linda...”

Mas diziam que era com sua saúde que se preocupavam.
Que saúde é essa que quando está magra é bonita e não saudável?
Vai entender... ela nunca entendeu, apenas sofreu.
Hoje pedem desculpas, hoje admitem “não deu certo”.
Agora cabe a ela, mais uma vez sozinha, se encontrar.
Encontrar o amor próprio que nunca foi encorajado
No seio de sua família.

“Mas você é tão linda!”
Pode até ser verdade e ela pode até saber. Mas não é como se sente.
Todo dia a mesma luta, a mesma dúvida:
Será que um dia vai gostar de si como é?

Mas não foi por mal, vão dizer.
Nunca é.
E também não é por mal que hoje tudo isso pode ser expresso
Por meio deste verso.

sexta-feira, 8 de maio de 2015

pensa que vai

Passa o dia prestando atenção nas coisas, vai que uma é interessante o suficiente e sirva de pretexto para puxar assunto.

Sabe que pra puxar assunto não precisa muito. Um "E aí, como vai?" é o suficiente.

Difícil é manter a conversa fluindo.

Quando percebe, parece um programa de pergunta e resposta. Um lado pergunta, o outro só responde.

Acho que os sintomas são bem claros, né.

Não há interesse. Desista.

Pensa nisso, desiste.

"Chega, cansei, não vou mais perder tempo."

Quando vê, tá lá novamente.

Mas como é teimoso!

sexta-feira, 6 de março de 2015

you are an idiot :)

Às vezes eu tenho a impressão de que, não importa o que eu faça, nunca conseguirei transpor a forte sensação de ser uma completa idiota.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

dinâmica de bruto

The strangest thing happened last friday.

Lembro-me de estar no trabalho, entediada, com o peso da TPM nas costas e nas pernas. Principalmente nas pernas. Eu estava a fim de ir pra casa e ficar deitada.

Mas minha prima estava na cidade e queria me ver. Onde que você tá? Láááá onde eu costumava morar. Na mesma rua. Que coincidência! Que preguiça!

E bom, eu também queria vê-la. E conhecer a filhinha dela e o marido. Afinal, foram quase 4 anos sem nos encontrarmos.

Assim, desencanei do cansaço e fui. Aquele caminho eu conhecia bem. Era o que eu costumava fazer até o começo deste ano. Fui sem grandes pretensões, sem imaginar que os Illuminatis tinham algo maior pra mim.

Cheguei lá e estavam minha prima e sua amiga fazendo docinhos para o aniversário da minha priminha que seria no dia seguinte.

Sentei, conversamos, reparei em como a menina (muito fofa, por sinal) fala bastante e tem uma dicção muito boa para uma criança de 2 anos. Fiquei impressionada.

Um pouco depois eu conheci o marido da minha prima, que acabou saindo em seguida para comprar algo. Gente, quantos detalhes? Estou parecendo o meu pai, que dá a volta ao mundo antes de entrar no assunto. Então eu vou resumir e ir ao que interessa.

Minha prima foi dar banho na filhinha e eu fiquei cuidando do cachorrinho da amiga dela – o Faísca, uma gracinha!

Depois resolvi lavar um pouco de louça que tinha na pia.

Nisso, toca o interfone:
"Alô."
"Marina?"
"Não, é a Ana. Quem é?"
"É o Maron."
"Ok."

Ele entra e eu me apresento como a prima da minha prima. Ela continuava no andar de cima cuidando da priminha e eu fiquei lá embaixo fazendo sala pra ele.

Depois de "Você é do sul?" "O pai dela é irmão da minha mãe" "Uso Spoladore porque é menos comum" "Eu também" "De onde é Maron?" "Do Líbano" "Já foi pro Líbano?" "Não, mas ouvi dizer que é bonito" e eu pensando que esse piá tem cara de quem mexe com internet, pode até ser que ele conheça meu irmão, resolvi perguntar "O que você faz?" "Ah, um monte de coisa, eu sou designer, mas gosto mesmo de escrever quadrinhos". Penso "Quadrinhos? Maron? Mas será? Não é possível... ele é muito novo..." "Mas você publica?" "Sim..." "Mas tem, na internet?" "Tem..." "Mas qual o nome?" "Dinâmica de Brut-" "VOCÊ É O BRUNO MARON??????" "Você conhece meu trabalho??" "Siimm!!! Não acredito!! Cara, eu adoro!! Já até mandei pros meus pais alguns e nossa, vou até te dar um abraço, agora!"

*Abraço*

"Eu já comentei no seu blog!" "Te sigo no twitter!" "Você conhece fulano? E aquele?"

Quantas perguntas pra fazer! "Por que Dinâmica de Bruto?" "Seu desenho é feio de propósito?" "Você escreve com um dicionário do seu lado?"

Então meu primo volta, cumprimenta o Maron e o leva para a casa vizinha.
Adulta que sou, disse: acho que vou embora.
Poxa, queria tanto falar mais com ele...
Fico bolada. “Oi, uma fã aqui?”
Resolvi ir atrás deles e forçar a minha presença na cozinha, junto aos rapazes. E ficamos lá conversando sobre filmes e séries e outras coisas.

O tempo passa e vamos embora depois das 22h. Minha prima se preocupa com a hora, mas digo que é tranquilo, não tem problema, não precisa pagar táxi nem nada, rapidinho eu chego em casa.

Maron também se despede e resolve pegar ônibus no mesmo lugar que eu.

Ainda chegando no ponto, um ônibus se aproxima e ele vai acompanhando para ler a plaquinha com indicação das ruas. O motorista abre a porta e ele pergunta: "Passa na Rua Alfonso Bovero?" Motorista diz que sim. Maron vira pra mim e acena com sua mão metade coberta pela blusa dele "Ana, vou nesse aqui, falou!"

Cho-ran-do!

"Falou".

Dane-se a Rua Alfonso Bovero. Desenho dele nem é tão bom assim.



sábado, 30 de agosto de 2014

etc.

Alexey Shalaev (1966 - )
Não sei se é o momento de voltar a escrever. Nunca sei se é o momento. A vontade sempre permaneceu, mas por algum motivo, sempre fui adiando.

Não tá certo, mas também não quero ficar me cobrando por isso. Sei que sumi há muito tempo.

Neste último ano, o que teve? Um namoro, um término... muitos quilos.

É... acho que é um bom momento para recomeçar.