terça-feira, 28 de agosto de 2012

diana - parte III

Diana deixou a casa de Rogéria e foi para a escola. Ainda sorria lembrando a conversa que ocorrera durante o almoço. Rogéria, mais uma vez, reclamava do nome que seus pais tinham lhe dado. Em sua defesa, sua mãe argumentou que, por ela, o nome seria Rodriga, o que fez Rogéria dizer:
"Ah tá, por que não falam logo que queriam um menino?"
"Mas também pensei em Priscila..."
"...a Rainha do Deserto."
E assim foi durante todo o almoço. Não que Rogéria odiasse seu nome, já estava acostumada com ele, mas não perdia a oportunidade de provocar sua mãe com esse assunto, apenas por achar engraçado.

Chegando no colégio, Diana encontrou seu colega Tiago e também o Bruno, que participavam da atividade extra com ela.
"E aí, a Cleide já chegou?" Foi logo perguntando.
"Já, ela está lá na copa, como sempre.", respondeu Tiago.
"Sempre..."
Diana colocou suas coisas no armário e logo começou a trabalhar.
Nisso entra Cleide e "Ah, finalmente a mocinha chegou!"
"Estou no horário, Cleide."
"E é bom, mesmo!"
Nisso os três trocaram olhares de impaciência - aquele virar de olhos com sinal de desaprovação. Eles faziam isso quase o tempo todo, já que Cleide tinha opinião para tudo. Mais um pouco e ficariam todos vesgos.
Depois de tecer o comentário impertinente, Cleide sentou-se em sua mesa e, depois de catar milho no teclado do computador - porque é assim que ela digitava -, começou a jogar paciência ou a fazer qualquer outra coisa que nada tinha a ver com o trabalho da secretaria.
Um pouco depois, entra um aluno:
"Oi, eu vim trazer um documento que faltava para minha tranSferênCia."
"Seu nome completo...?", perguntou Diana, ignorando o jeito engraçado de o menino falar.
"É Gilberto CoSta Lima."
"Transferiu de onde?"
"Colégio Bom JesuS, lá de Belo Horizonte."
"Ah, então você é mineiro."
"ISSo, Sou de MinaS."
"E por que você fala desse jeito?"
"DeSSe jeito como?"
"Assim... MinaS... dando ênfase nos ésses..."
"Mineiro fala aSSim, oraS!"
"Eu já fui para lá e não vi ninguém falando assim..."
"É, mas eleS falam..."
"Não falam, não."
"Falam, sim!"
"Não, não falam."
"Falam!"
Nisso Cleide intervêm: "Parem com essa discussão idiota e anexa logo o documento do menino na ficha e termina logo com isso!"
Diana, sem perder o contato visual com Gilberto, disse:
"Cleide, parece que acabaram de passar um café lá na copa..."
"É? Bom, vou lá ver. E vocês continuem trabalhando! Menos conversa, mais trabalho!"
Uma vez que Cleide saiu da sala, Diana continuou:
"Não falam."
"Olha, eu morava lá e Sei melhor que voCê. Já morei em muitoS lugareS do Brasil, também, e Sou muito bom em reconhecer SotaqueS."
"De verdade?"
"Sim. Você, por exemplo, é do Nordeste."
Todos riram, evidentemente.
Diana apenas disse: Gilberto, acho melhor você ir ao banheiro."
"Por quê?"
"É uma dica, apenas vá."
Gilberto achou melhor seguir a dica, em todo caso. No momento em que saía, entrou outro menino:
"Gilberto, onde você tá-"
"Não posso falar agora, tou com pressa!"
"Que que deu nele?"
"Não sei, acho que ele precisava ir ao banheiro. Você conhece ele?"
"Sim, ele é um primo meu de 2° grau. A propósito, meu nome é Lucas."
"O meu é Diana... esse seu primo é bem esquisito, não?"
"Bom... ele tem dezesseis anos e está na quarta série. Acho que isso é ser esquisito o bastante."
"Nossa! Ele é retardad...tário?"
"Então, ele tem problemas, sabe... mas os pais não admitem e ficam esperando que ele de alguma forma mude, de uma hora pra outra... eles também são estranhos..."
Gilberto voltou do banheiro, aliviado.
"E então, Berto, vamos?"
"Sim, sim... tá tudo certo com a minha transferência, Daiane?"
"É Diana... sim, está. Pode ir."
"Nos vemos por aí, então?" - disse Lucas.
"Sim, claro... té mais."

"É, no fim nem tinha café lá. Tive que esperar a moça fazer... aproveitei pra lanchar, mas nem comi muito, porque estou de dieta" comentou Cleide ao voltar da copa. Ela vivia dizendo estar de dieta e dando satisfação sobre o que comeu ou deixou de comer. Como sempre, ninguém se importava.

Findo o expediente, Diana foi pra casa. Fez o de sempre, tomou banho, comeu, não estudou, ficou na internet um pouco e foi pintar as unhas enquanto via um seriado. Não prestou muita atenção na história porque estava distraída com seus pensamentos, rindo sozinha dos acontecimentos daquele dia. Balançava ligeiramente a cabeça para os lados como que desacreditando na existência de pessoas como o Gilberto ou a Cleide. Por outro lado, achou o Lucas um cara legal, mas como não o conhecia bem, criou uma leve expectativa sobre o quê exatamente esperar de uma amizade com ele.

Enquanto se preparava pra dormir, pensou um pouco no menino de quem gostava e, sem perceber, foi a última vez que pensou nele dessa forma. Então dormiu.




Um comentário: